Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros15NotaçõesVisita virtual interativa ao Muse...

Notações

Visita virtual interativa ao Museu do Centro Hospitalar do Porto: uma proposta de mediação digital

The interactive virtual visit to the Centro Hospitalar do Porto Museum: a proposal of digital mediation
Sónia Faria

Resumos

O Museu do Centro Hospitalar do Porto (MCHP), inaugurado em 2013, é um museu de história das ciências da saúde e de memória institucional. Assumindo-se como um espaço de aprendizagem, o museu visa contribuir para o conhecimento e para a literacia em torno dos temas da saúde, promovendo uma cidadania ativa. A ocorrência da pandemia covid-19 e a subsequente crise veio tornar mais evidente o potencial das tecnologias digitais na aproximação deste museu aos seus públicos. Esse é o contexto que desencadeou a criação da proposta de mediação digital: “Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património”. O projeto, desenvolvido em 2020, adotou o formato de uma visita virtual, acessível a partir do website do museu, desde 2021. Neste breve artigo contextualizamos e apresentamos o projeto, os seus objetivos e resultados. Concebido como uma experiência inovadora, interativa e sensorial, este projeto contribuiu para expandir o acesso às coleções e aos espaços museológicos, e enriquecer a experiência do visitante. O projeto permitiu também ao MCHP implementar novos recursos de acessibilidade, ampliando o acesso a pessoas com deficiência, reforçando uma estratégia comprometida com a igualdade no acesso, com a inclusão social e com a democratização da oferta cultural no espaço digital.

Topo da página

Texto integral

O Museu do Centro Hospitalar do Porto1

1Inaugurado a 1 de outubro de 2013, o Museu do Centro Hospitalar do Porto (MCHP) é um museu de história das ciências da saúde e de memória institucional. Tem como missão «celebrar e promover a memória e as raízes institucionais, bem como preservar e valorizar o seu património cultural, material e imaterial».2 Assumindo-se como um espaço de aprendizagem, o MCHP visa contribuir para o conhecimento e a literacia em torno dos temas da saúde, promovendo uma cidadania ativa junto da comunidade profissional e académica, assim como do público em geral.

2A génese do projeto de museu remonta a janeiro 2007, quando foi desenvolvido um levantamento exaustivo do património cultural e científico existente no Hospital de Santo António. Em setembro de 2007 o seu acervo foi aumentado pelas coleções provenientes de outras unidades médicas: Hospital Maria Pia e Maternidade Júlio Dinis; em março de 2011 pelo espólio do Hospital Joaquim Urbano; e em maio de 2013 acresceram os bens culturais do Centro de Genética Médica Doutor Jacinto Magalhães.

3Abrangendo cerca de 8 000 objetos, o acervo é constituído em grande parte por instrumentos de caráter médico-cirúrgico, laboratorial, de imagem, de farmácia, incluindo diversos utensílios de apoio hospitalar. Contempla ainda coleções de pintura, mobiliário, escultura, fotografia e medalhística. Um acervo tão diversificado permite refletir sobre períodos importantes da história da medicina, da memória e da identidade da Instituição, testemunhando técnicas médicas e a sua utilização ao longo do tempo. Estas coleções permitem ainda dar a conhecer o progresso das ciências da saúde, em termos científicos e tecnológicos, assim como de outras ciências correlacionadas (como a Química, a Física, a Botânica, a Fisiologia, a Biologia, a Bioquímica, entre outras) que permitiram essa evolução (Correia 2000).

4A exposição permanente do MCHP foi instalada no local da primitiva Farmácia do Hospital de Santo António, tendo sido reconstituídos e musealizados os ambientes originais da Botica oitocentista do Hospital e da Farmácia de Oficina do Hospital Joaquim Urbano, antiga unidade de doenças infeciosas. Este espaço congrega, assim, a imponência da fachada neoclássica com a memorabilia associada pelos portuenses à sua função original, evocando a memória das práticas e técnicas de âmbito farmacêutico das ciências de saúde nos séculos XIX e XX (Faria e Queiroz 2016).

5Umas das singularidades do MCHP prende-se com o facto de muitas das áreas expositivas se situarem em ambiente hospitalar no Edifício Dr. Luís de Carvalho, através de vitrinas dedicadas ao exercício da medicina, com carácter semipermanente. Contudo, no contexto de controlo devido à COVID-19 a entrada no interior do edifício foi condicionada, pelo que os visitantes se depararam, durante mais de dois anos, com a impossibilidade de acesso a grande parte das coleções do museu.

Um projeto de mediação digital: “ Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património”

6A necessidade de disponibilizar mais informação acerca das coleções da exposição permanente e assegurar uma maior acessibilidade às coleções localizadas nas áreas hospitalares levou à criação de um novo projeto de mediação digital – o “Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património3. O projeto contou com o financiamento do Programa de Apoio a Museus da Rede Portuguesa de Museus (ProMuseus) na categoria de “transformação digital”.4

  • 5 O projeto foi distinguido em 2022 pelos prémios APOM (Associação Portuguesa de Museologia) com uma (...)

7O projeto “Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património” foi desenvolvido durante o ano de 2020 e adotou o formato de uma visita virtual interativa a 360°, acessível a partir do website do MCHP, desde março de 2021.5

  • 6 A plataforma digital Omnia é da responsabilidade da empresa Ez-Team, com sede em Coimbra.

8Pretendeu-se com esta visita virtual enriquecer a experiência no acesso às coleções e aos espaços museológicos, assim como expandir esse acesso a um maior número de visitantes ou utilizadores, através de uma plataforma que garantisse dinamismo e que fosse adaptável à evolução dos projetos institucionais. Atendendo aos objetivos identificados e após uma consulta de mercado, a escolha recaiu sobre o formato de visita virtual com recurso à plataforma digital Omnia.6

9De forma a que este projeto pudesse alcançar um maior número de visitantes, nomeadamente de outras geografias, deu-se primazia à diversidade linguística, com criação de conteúdos em quatro idiomas: português, espanhol, francês e inglês.

10A visita virtual foi concebida de forma a proporcionar várias vistas a 360°, imagens em alta resolução (12 k), conteúdos multimédia, representações tridimensionais (fig. 1), vídeos ilustrativos e cerca de 70 objetos em destaque (fig. 2). Por outro lado, foi pensada desde logo com uma vertente interativa, proporcionando ao utilizador formas de interação ao longo da visita virtual (ex. quizzes, livros interativos).

Fig. 1 – Exemplo de objetos 3D, em cima vê-se um microscópio ótico monocular e em baixo o busto de Esculápio (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​63c9682a8dbde)

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

Fig. 2 – Ponto de interesse interativo: seringa de clister, na Botica do Hospital de Santo António (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​6222239906067)

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

11É de realçar que todos os conteúdos visuais, designadamente as captações de imagens a 360° e 3D, vídeos 360°, objetos 3D, assim como o som 360° e os conteúdos de narração, são compatíveis com vários dispositivos: computador, tablet, smartphone, smart TV e óculos de realidade virtual. Essa flexibilidade permite ao visitante ou utilizador aceder aos espaços museológicos e explorar as coleções do MCHP, a partir de qualquer parte do mundo e de qualquer dispositivo.

Fig. 3 –Vista aérea 360° do Museu do Centro Hospitalar do Porto

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

12Um dos objetivos da visita virtual consistiu em valorizar conteúdos relativos ao edifício do MCHP, classificado como Monumento Nacional (desde 1910) pelo seu valor histórico e patrimonial. Projetado no séc. XVIII pelo arquiteto inglês John Carr, é considerado um dos exemplos da arquitetura neopalladiana realizada fora de Inglaterra e o primeiro edifício neoclássico da cidade do Porto. Nesse sentido, privilegiaram-se não só as imagens aéreas e panorâmicas do edifício neoclássico (fig. 3), assim como a criação de 15 mapas personalizados interativos. Estes mapas de localização permitiram projetar os diversos espaços físicos na virtualidade, propiciando ao visitante uma dinâmica movimentação dentro das interfaces e o rápido acesso a conteúdos adicionais.

13Além disso, a visita virtual incorpora a captação de imagens 360° de áreas emblemáticas no interior do edifício do MCHP, nomeadamente o Salão Nobre, as Galerias de Benfeitores, o Jardim (antigo horto farmacêutico), os átrios com lápides evocativas e comemorativas, a Capela do Sr. dos Aflitos, entre outros pontos arquitetónicos. Globalmente, os conteúdos produzidos visam potenciar a construção de um imaginário em torno deste lugar de memória da cidade do Porto e da medicina nacional portuguesa.

14A plataforma que está na base na visita virtual é versátil e tem um perfil modular, reunindo um conjunto variado de funcionalidades inovadoras, entre as quais se destaca o sistema de partilha inteligente. Este sistema de partilha inteligente permite ao utilizador partilhar nas redes sociais, ou por e-mail ou Código QR, qualquer ponto de interesse acedido, ou partilhar diretamente um objeto, e não apenas o link da página consultada.

15Outra funcionalidade da visita virtual consiste na possibilidade de navegabilidade aumentada com sistema de pesquisa integrado. Ou seja, esta ferramenta permite a pesquisa de todos os conteúdos da visita virtual, desde locais, objetos e respetivas fichas técnicas.

16A visita virtual proporciona, ainda, a criação de marcadores de favoritos e registo do histórico, o que significa que o utilizador visualiza a qualquer momento o progresso da visita, tendo acesso aos lugares visitados ou pontos de interesse já consultados.

17A plataforma carateriza-se por ser um sistema responsivo, em que as interfaces e as funcionalidades adaptam-se a qualquer dispositivo usado pelo utilizador, não sendo necessária a instalação de app ou plug-in.

18Uma outra caraterística da visita virtual consiste na sonorização 360°e a introdução de efeitos animados com o objetivo de maior imersão, ou seja, tornar a visita mais sensorial. Os vários efeitos de animação enriquecem as vistas 360°, procurando aumentar o realismo de cada cena. De entre as possibilidades técnicas distinguem-se quatro esferas sonoras: fundo musical; efeitos sonoros 360°, como por exemplo o relógio oitocentista da botica com as badaladas em tempo real; som ambiente 360°, que consoante o local poderá incluir desde o ruído de viaturas, o grasnar das gaivotas, o barulho de pessoas, entre outros; e a locução.

19Esta plataforma foi ainda complementada com recursos de acessibilidade, ao abrigo do Programa “Garantir Cultura | ProMuseus 2021”. Estes recursos permitem o acesso a pessoas com deficiência, visando a diversidade de públicos e promover a inclusão, seguindo as orientações internacionais de acessibilidade na internet7. Entre esses recursos, destaca-se a possibilidade de audiodescrição – através da síntese vocal para áudio concretizada nos quatro idiomas (português, espanhol, francês e inglês), permitindo que pessoas com deficiência visual, cegas ou com baixa visão, usufruam de forma autónoma (Henriques 2015) do acesso a todos os conteúdos8.

20Com a criação desta visita virtual foi possível disponibilizar informação mais detalhada sobre um conjunto de objetos e temas selecionados. Neste âmbito refira-se a criação de painéis expositivos e folhas de sala com interações 3D (fig. 4), que, por sua vez, através de um clique permitem o acesso, por exemplo, a documentários relativos à memória institucional do museu, assim como a fotografias e a documentação histórica associada ao tema apresentado no respetivo painel interativo.

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

21Em termos de interatividade, um outro exemplo refere-se à criação de livros interativos 3D (fig. 5). Estes livros interativos 3D contemplam na íntegra a digitalização de todas as obras de referência da farmacêutica e botânica em exposição na Botica Oitocentista do Hospital de Santo António, permitindo ao utilizador explorar cada livro ao seu ritmo.

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

22Entre os recursos educativos e lúdicos disponibilizados pela visita virtual, merece destaque a criação de vídeos didáticos constituídos por quizzes que permitem ao utilizador interagir (fig. 6). Destinados a um público infantil (dos 8 aos 12 anos), estes testes visam promover a aprendizagem e consolidar conhecimentos à medida que se exploram as várias temáticas ligadas à saúde, de um modo desafiante e divertido.

© Museu do Centro Hospitalar do Porto

Considerações finais

23O MCHP não ignora as transformações sociais, económicas, políticas e culturais da sociedade, assim como as expectativas crescentes dos públicos (presenciais e virtuais). A ocorrência da pandemia covid-19 e a subsequente crise veio tornar mais evidente o potencial das tecnologias digitais na aproximação do museu aos públicos. Esse é também o contexto que desencadeia a criação, em 2020, da proposta de mediação digital: “Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património”.

24A visita virtual “Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património” foi concebida para ser uma experiência inovadora, interativa e sensorial. Constatamos que este projeto trouxe vários contributos positivos ao MCHP. Um dos contributos consistiu no cumprimento da missão do museu ao fortalecer, por via desta visita virtual, a sua identidade institucional e uma visão assente na abertura e na interação com as comunidades e com os públicos.

25Este projeto de mediação digital tem permitido ao MCHP alcançar um papel diferenciador na reflexão e sobretudo na partilha de conhecimento sobre a cultura material associada às ciências da saúde, consolidando, por outro lado, um percurso de destaque no âmbito da educação para a saúde. Nesse sentido, este projeto ampliou a oferta cultural disponível e reforçou a estratégia de comunicação, interna e externa, do museu. Além disso, consolidou o programa educativo, desenvolvendo novas ferramentas didáticas, através da mediação digital.

26Este projeto permitiu também ao MCHP implementar novos recursos de acessibilidade, ampliando o acesso a pessoas com deficiência, reforçando uma estratégia comprometida com a igualdade no acesso, com a inclusão social e com a democratização da oferta cultural no espaço digital.

27Globalmente, este projeto tem cumprido as expectativas previstas, observando-se um número significativo de utilizadores. Do ponto de vista quantitativo, entre março de 2021 e dezembro de 2022 identificam-se cerca de 125 000 utilizadores e 345 000 visualizações. Do ponto de vista da proveniência desses utilizadores, no último ano, destaca-se a França (29,3%), os EUA (18,9%), Singapura (18,6%), Portugal (12,6%) e Holanda (7,7%), o que é revelador de alguma diversidade e é sintomático do investimento realizado na tradução dos conteúdos para outras línguas, para além da língua portuguesa. Para além destes resultados, não se ignora a necessidade de se realizarem outras análises, com um perfil mais qualitativo, de modo a aferir a eficácia do projeto e avaliar a experiência dos utilizadores.

  • 9 A equipa nuclear (permanente) do MCHP é constituída por quatro pessoas, acrescendo duas pessoas com (...)

28O projeto da visita virtual surge também no contexto de uma aposta na transformação digital do MCHP. Neste contexto, é de sublinhar o investimento que tem sido feito nos últimos anos na capacitação da equipa do MCHP9, nomeadamente no desenvolvimento de competências digitais, ao nível da edição de imagens, da produção de vídeos e da transmissão streaming. Além disso, destacam-se esforços no sentido de uma maior capacitação na área de acessibilidade, o que se revela essencial na criação e implementação de novos recursos, seja em contexto físico ou digital.

29Para além da capacitação dos profissionais, este projeto implicou o investimento em equipamento digital de alta qualidade, a atualização de software e uma revisão das soluções de rede de que o museu dispunha, de modo a poder suportar as ferramentas digitais usadas neste projeto. Outros desafios tiveram a ver com a componente técnica e de edição, nomeadamente a resolução de problemas de contraste e de iluminação nas capturas de 360º e nas limitações no tamanho dos ficheiros relativos aos objetos de museu fotografados em 3D.

30Para o MCHP a preservação e a divulgação do património ligado às ciências da saúde é fundamental, sendo que este projeto de mediação digital constitui um marco referencial neste percurso. Perspetiva-se, neste sentido, uma aposta continuada no desenvolvimento de novos ciclos ou propostas de mediação digital e na consolidação de competências, assim como o compromisso do MCHP na criação de experiências significativas, em formato presencial e digital.

Topo da página

Bibliografia

“Hospital de Santo António 360°: Conhecer os 250 anos de História e Património.” 2021. Museu do Centro Hospitalar do Porto. https://hospitalsantoantonio360.pt

Correia, J. Castro. 2000. “Medicina e Tecnologia: Relação entre a Evolução da Medicina e a Evolução Tecnológica.” Revista dos Antigos Alunos da Universidade do Porto 2 (dez.): 23-24.

DGPC. 2021. “Museu do Centro Hospitalar do Porto.” Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). https://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-do-centro-hospitalar-do-porto/

Faria, Sónia, e Francisco Queiroz. 2016. “A Botica do Hospital Real de Santo António.” In Actas do II Congresso “O Porto Romântico”, 469-481. Porto: Escola das Artes da Universidade Católica.

Faria, Sónia. 2009. “O Objecto e os Museus de Medicina: Aprofundamento de um Modelo de Estudo.” Dissertação de mestrado em Museologia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Henriques, Rita Maria Vigário. 2015. “Os Sentidos nos Museus: Acessibilidade para o Público Cego.” Dissertação de mestrado em Gestão e Estudos da Cultura – Ramo Gestão Cultural, Departmento de Antropologia da Escola de Ciências Sociais do ISCTE-IUL.

Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.1 https://www.w3.org/TR/2008/REC-WCAG20-20081211/

Topo da página

Notas

1 Uma versão resumida deste texto, em inglês, foi incluída na publicação Digital Learning in Museums Cases for Annual Report NEMO (no prelo) editada pela Network of European Museum Organisations (NEMO).

2 http://www.museu.chporto.pt/v0B0B/missao (consultado dezembro 18, 2022).

3 hospitalsantoantonio360.pt

4 O MCHP integra a Rede Portuguesa de Museus desde 2019. https://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/rede-portuguesa/m/museu-do-centro-hospitalar-do-porto/ (consultado dezembro 18, 2022).

5 O projeto foi distinguido em 2022 pelos prémios APOM (Associação Portuguesa de Museologia) com uma menção honrosa na categoria de “Aplicação de Gestão e Multimédia”: https://apom.pt/premios-2022/ (consultado dezembro 18, 2022).

6 A plataforma digital Omnia é da responsabilidade da empresa Ez-Team, com sede em Coimbra.

7 Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) 2.1 https://www.w3.org/TR/2008/REC-WCAG20-20081211/ (consultado dezembro 18, 2022).

8 https://hospitalsantoantonio360.pt/poi/61f80c194c392

9 A equipa nuclear (permanente) do MCHP é constituída por quatro pessoas, acrescendo duas pessoas com um perfil mais rotativo.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Fig. 1 – Exemplo de objetos 3D, em cima vê-se um microscópio ótico monocular e em baixo o busto de Esculápio (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​63c9682a8dbde)
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-1.png
Ficheiro image/png, 189k
Legenda Fig. 2 – Ponto de interesse interativo: seringa de clister, na Botica do Hospital de Santo António (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​6222239906067)
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-2.png
Ficheiro image/png, 772k
Legenda Fig. 3 –Vista aérea 360° do Museu do Centro Hospitalar do Porto
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-3.png
Ficheiro image/png, 1,3M
Legenda Fig. 4 – Exemplo de painel interativo 3D (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​62d7fed5c4d32)
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-4.png
Ficheiro image/png, 1018k
Legenda Fig. 5 – Exemplo de livro interativo 3D (https://hospitalsantoantonio360.pt/​poi/​61f80aba1357c)
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 373k
Legenda Fig. 6 – Exemplo de um quiz interativo (https://hospitalsantoantonio360.pt/​link/​6319f91711cd7)
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/docannexe/image/3538/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 230k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Sónia Faria, «Visita virtual interativa ao Museu do Centro Hospitalar do Porto: uma proposta de mediação digital»MIDAS [Online], 15 | 2022, posto online no dia 15 dezembro 2022, consultado o 18 junho 2024. URL: http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/midas/3538; DOI: https://0-doi-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/10.4000/midas.3538

Topo da página

Autor

Sónia Faria

É museóloga, sendo desde 2008 responsável técnica do Museu do Centro Hospitalar do Porto. É mestre em Museologia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto com a dissertação, “O Objecto e os Museus de Medicina: Aprofundamento de um Modelo de Estudo” (2009). É autora de estudos na área da museologia médica, da classificação e da interpretação do objeto médico, e da história da especialização das ciências da saúde. Tem analisado, em particular, o caso da musealização do fundo patrimonial do Hospital de Santo António, do Hospital Joaquim Urbano e da Maternidade Júlio Dinis, no Porto. Integrou a equipa científica responsável pela criação de projetos como o Museu de S. João da Pesqueira, o Núcleo Museológico Favaios e pelo espaço museológico Pedras Experience.

Museu do Centro Hospitalar do Porto, Largo Professor Abel Salazar, 4099-001 Porto, Portugal, soniafaria.museu@chporto.min-saude.pt, https://orcid.org/0000-0001-5983-4665

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search