Navegação – Mapa do site

InícioNúmeros26ArtigosEfeitos de eventos climáticos ext...

Artigos

Efeitos de eventos climáticos extremos e mudança climática na produção agrícola das regiões do Baixo e Submédio da bacia hidrográfica do Rio São Francisco

Efectos de los eventos climáticos extremos y del cambio climático em la producción agrícola de las regiones baja y submedia de la bacia hidrográfica del são francisco
Effects of extreme climate events and climate change on agricultural production in the low and submediary regions of the São Francisco hydrographic basin
Effets des événements météorologiques extrêmes et du changement climatique sur la production agricole dans les régions inférieures et sub-moyennes du bassin hydrographique de São Francisco
Raquel Pereira Pontes, Eduardo André Tillmann, Patrízia Raggi Abdallah e Margareth da Silva Copertino

Resumos

Este estudo busca investigar os efeitos de eventos climáticos extremos e, por consequência, a influência da mudança climática, sobre o valor da produção agrícola nas regiões do submédio e baixo da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco no Brasil. Para tal, utiliza as análises de cluster e fatorial, combinada com regressões de efeito fixo. Estes métodos permitem levar em conta a interação entre a produção agrícola, a intensidade tecnológica no cultivo, e a diversidade do ecossistema na mensuração do impacto dos eventos climáticos. Os resultados mostram que a temperatura e a precipitação extrema influenciam no valor total da produção agrícola e, ainda, que a tecnologia é necessária, mas não suficiente para combater estas influências. Por fim, a divisão por intensidade tecnológica permite destacar o cunho social dos eventos climáticos. Destaca-se, portanto, necessidade da adoção de melhores estratégias adaptativas que atentem às questões sociais na região.

Topo da página

Texto integral

Introdução

1Inúmeros estudos no âmbito da adaptação às mudanças climáticas ressaltam a importância da redução de vulnerabilidades e o estímulo à adoção de técnicas adaptativas no setor agrícola, tais como irrigação e culturas tolerantes a seca (MOORHEAD, 2009; WREFORD et al., 2010). Variações nas condições meteorológicas, como aumento da temperatura e chuva, influenciam no crescimento, desenvolvimento, produtividade e qualidade dos cultivos agrícolas, além de influenciar na ocorrência de doenças, pragas, insetos predadores e polinizadores (GHINI et al., 2011; HOFFMANN, 2011).

2No Brasil, a região do Semiárido é caracterizada por períodos críticos de estiagem e, também, como a mais suscetível a aumentos de temperatura e redução das precipitações até 2100 (PACHAURI et al., 2015). Inclusive, na intenção de atenuar os efeitos da seca nesta região, está em execução atualmente a transposição do rio São Francisco, em um projeto cujo nome oficial é Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional.

  • 1 A Figura 1A, nos Anexos, apresenta o mapa da Bacia Hidrográfica do rio São Francisco e de suas regi (...)

3A bacia hidrográfica do rio São Francisco1 (BHSF) atravessa cinco estados do país e abrange 639.217 km². Em função de sua extensão territorial o comitê responsável pela gestão dos seus recursos hídricos a divide em quatro regiões hidrográficas (Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco - CBHSF, 2020). A primeira denominada Alto São Francisco, se estende da área montanhosa onde o rio nasce, na Serra da Canastra, até a cidade de Pirapora, no centro-norte de Minas Gerais, e abrange 111.804 km² de área. A região seguinte, a maior das quatro divisões com 339.763 km², é denominada Médio São Francisco e compreende parte do oeste da Bahia, até o lago de Sobradinho, no município de Remanso. Depois de Remanso, fica a segunda maior região, o submédio, com 155.637 km², onde o rio torna-se a divisa natural entre os estados da Bahia e de Pernambuco, até alcançar o limite com Alagoas. A última região, a que representa a divisa natural entre os estados de Alagoas e Sergipe até desaguar no Oceano Atlântico é denominada Baixo São Francisco e representa 32.013 km².

4Há considerável contraste na dinâmica socioeconômica entre as regiões da bacia hidrográfica do São Francisco. O Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco 2016-2025 (BETTENCOURT et al., 2016) mostra que apesar de mais de um quinto da população ocupada na bacia trabalhar na agricultura, pecuária, produção florestal e na aquicultura, esta proporção chega a 50% nas regiões do Baixo São Francisco e 40% no Submédio. Ainda, dos estabelecimentos dedicados a atividades agrícolas e pecuárias, mais de 90% dos localizados no Baixo e Submédio da bacia hidrográfica correspondem à agricultura familiar. Além disso, a bacia se destaca pela indústria extrativa, concentrada no Alto (ferro) e no Médio (ouro) São Francisco. Estas últimas regiões englobam, também, quase 90% do número total de empresas na bacia, consolidando-se como economias mais densas e diversificadas.

5Em função deste contraste e das características já mencionadas, o presente estudo explora como eventos climáticos extremos e, por consequência a mudança climática, influencia na produção agrícola das regiões do Baixo e Submédio da BHSF. O estudo leva em conta a interação entre a produção agrícola, a intensidade tecnológica no cultivo, e a diversidade do ecossistema, representada pelo uso da terra, na mensuração da referida influência.

  • 2 Para evitar possíveis dificuldades impostas pelas emancipações ao longo do período analisado, adota (...)

6Para tal, são estimados modelos de regressão de efeito fixo que correlacionam eventos extremos, ligados a temperaturas e precipitação, nas quatro estações de cada ano entre 1990 e 2017, e a produção agrícola da região de interesse. A estimação destes modelos utiliza, também, de análise de cluster e fatorial. A primeira, permite identificar municípios2 que possuem características de cobertura e uso do solo semelhantes, enquanto a análise fatorial permite diferenciar os municípios quanto à intensidade tecnológica da produção agrícola. Estas características podem estar ligadas ao efeito dos eventos climáticos extremos na produção agrícola e, portanto, são levadas em conta nas estimações.

7Os resultados encontrados mostram que há impacto dos eventos climáticos extremos sobre o valor total da produção agrícola, corroborando com a ideia de que a tecnologia é necessária, mas não suficiente para combater estes eventos extremos e, por conseguinte, os efeitos da mudança climática na agricultura. A divisão por intensidade tecnológica permite destacar, entre outras coisas, o cunho social dos efeitos climáticos, o que reforça a necessidade da adoção de melhores estratégias adaptativas e inclusivas frente às mudanças climáticas na região de interesse.

8O artigo está dividido em quatro seções. Além desta introdução, a seção 2 descreve os métodos utilizados, detalhando a aplicação da análise de cluster e fatorial. A seção 3 contém os resultados e está subdividido entre os resultados da análise de cluster e fatorial, e do modelo de regressão aplicado para a identificação dos efeitos dos eventos climáticos. Por fim, a última seção contém a conclusão.

Método

9A estratégia empírica para medir a relação entre a produção agrícola e eventos climáticos extremos é similar a utilizada por Maia, Miyamoto e Garcia (2018). Os dados de temperatura e precipitação total são obtidos junto ao Instituto Nacional de Meteorologia (INMET, 2020) e interpolados para as 168 áreas mínimas comparáveis (AMC) das regiões do submédio e baixo da Bacia Hidrográfica de São Francisco. Esta interpolação foi realizada através do método de Ponderação pelo Inverso da Distância (em inglês, IDW), que se baseia na distância ponderada das estações meteorológicas e o centroide de cada AMC, usando o inverso da distância como fator de ponderação (KURTZMAN; KADMON, 1999).

10Após esta interpolação, são obtidos os valores médios de temperatura e precipitação em cada estação do ano (primavera, verão, outono e inverno) em cada AMC para o período de 1990 até 2017. Assim, as ocorrências de eventos extremos são identificadas através de 16 variáveis dummies que indicam, para cada uma das quatro estações do ano, a ocorrência de precipitação e de temperaturas acima ou abaixo de um desvio-padrão em relação à média amostral no período de análise.

11Em outras palavras, definem-se os eventos extremos de alta temperatura e os de baixa :

12Onde representa a estação do ano , é a média da temperatura em cada estação do ano entre 1990 e 2017, e é o desvio-padrão da temperatura observada em cada estação do ano no mesmo período em análise. De maneira semelhante, os eventos extremos de alta precipitação são definidos como e os de baixa :

13Assim, a relação entre as variáveis climáticas e a produção agrícola é estimada através um painel com os dados de clima, conforme descritos acima, e a produção agrícola das 168 áreas mínimas comparáveis das regiões do submédio e baixo da Bacia Hidrográfica de São Francisco, conforme a Equação 3 abaixo.

14Os coeficientes de interesse são , , e , que representam o impacto dos eventos climáticos extremos na produção agrícola , após controlar pela área e efeitos não observáveis do tempo e regionais . O erro estocástico, , é agrupado em clusters do tipo de cobertura e uso da terra, conforme descrito na subseção 2.1.

  • 3 A construção do indicador de tecnologia, conforme apresentado na subseção 2.3, está relacionada a u (...)

15A variável na Equação 3 representa o valor total da produção agrícola, deflacionado pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA) (IBGE, 2020) e, sua estimação é realizada com base em duas estratégias. A primeira inclui todas as AMCs das regiões do Submédio e Baixo da Bacia Hidrográfica do São Francisco. Já a segunda separa as AMCs entre alta e baixa tecnologia3, o que permite explorar com maior riqueza os efeitos de interesse. Esta última distinção requer o uso de técnicas de análise fatorial, o que, em conjunto da já citada análise de clusters, são descritas nas próximas duas subseções.

Clusters do tipo de cobertura e uso de terra

16O avanço do desmatamento, da agricultura e da pecuária afetam diretamente a capacidade da natureza em prover serviços ecossistêmicos de regulação, como a amenização de fenômenos climáticos. A expansão da área utilizada com atividades de agricultura e pastagem, inclusive, tornou a mudança do uso da terra a principal fonte de emissões de gases do efeito estufa no Brasil (GOUVELLO et al., 2010).

17A dinâmica do território em termos dos processos de ocupação e a utilização da terra podem, portanto, influenciar o impacto dos eventos climáticos extremos na produção agrícola. Para investigar esta possibilidade é realizada uma análise de cluster, que possibilita identificar e agrupar os municípios cuja cobertura e uso da terra é semelhante e assim, observar se as chuvas e temperaturas extremas tem efeito distinto entre os grupos de municípios. Levar isto em consideração nas estimações significa assumir que há correlação entre a produção agrícola dentro de cada agrupamento, mas que ela é independente entre os clusters. A falta deste adendo nas estimações poderia significar a quebra de uma das hipóteses básicas de um modelo de regressão, que é a independência dos erros.

  • 4 São identificados onze tipos de cobertura na região analisada: área artificial (0,29%), área agríco (...)
  • 5 Esta informação estava disponível no IBGE para os anos de 2000, 2010, 2012, 2014 e 2016. Procedimen (...)
  • 6 O método hierárquico foi escolhido devido a não haver necessidade de definir uma partição inicial.

18A análise faz uso do percentual de cada tipo de uso da terra4, obtido através dos shapefiles das malhas territoriais e da cobertura de uso de terra dos municípios brasileiros do ano de 2016, disponibilizados pelo IBGE (2018). Cabe ressaltar que a utilização de apenas um ano decorre da baixa variabilidade na dinâmica de uso da terra no período em que os dados são computados5. O algoritmo de agrupamento adotado é o método hierárquico6 aglomerativo. Este é uma forma de agrupamento por similaridade que organiza os dados em uma estrutura hierárquica, partindo do princípio que cada elemento forma seu próprio agrupamento e que em cada passo do algoritmo novos conglomerados vão sendo formados até que um único grupo contendo todos os dados seja gerado (LIMA, 2017).

19Dentro do método hierárquico aglomerativo, a técnica escolhida para o cálculo de agrupamento desse estudo foi o método de Ward baseado na distância euclidiana. Este método utiliza a soma de quadrados dos erros (SQE) para formar grupos com maior homogeneidade interna, tal que em cada passo de agrupamento, diminui a variabilidade entre os grupos e aumenta a de dentro dos grupos (LIMA, 2017).

20Por sua vez, a determinação do número final de clusters segue a estatística pseudo-F proposta por Calinski e Harabasz (1974). Este método se baseia na variância entre os grupos (clusters) a cada nível de agregação, de modo que um valor alto nesta estatística implica na rejeição da hipótese de homonegeidade entre os grupos criados (MINGOTI, 2007).

Análise fatorial para tecnologia de produção agrícola

21A adoção de novas tecnologias de produção possui importante papel na determinação do desempenho da agricultura. A mecanização do campo é tida como uma das responsáveis pelo aumento do produto e da produtividade agrícola do Brasil (GASQUES et al., 2004). Ainda, a adoção de tecnologias de irrigação e uso do solo são capazes de mitigar possíveis efeitos negativos de eventos climáticos extremos, ou mesmo de anomalias na distribuição sazonal da temperatura e da chuva.

22Tendo isto em vista, buscou-se diferenciar os municípios que possuem alta e baixa tecnologias de produção agrícola. Para tal, foram utilizados os dados do Censo Agropecuário 2017 (IBGE/SIDRA, 2017) que correspondem ao número por estabelecimento de caminhões, utilitários, automóveis, motos, aviões, tratores, semeadeiras plantadeiras, colheitadeiras, adubadeiras e/ou distribuidoras de calcário, além da proporção dos estabelecimentos que fazem uso de irrigação e de sistema de preparo do solo.

23O método utilizado para sintetizar estas variáveis em uma só dimensão é a análise fatorial aliada a técnica de componentes principais. A análise fatorial é uma técnica estatística multivariada de simplificação da informação que permite o agrupamento de variáveis em função de sua variabilidade comum e, portanto, que elas sejam descritas por meio de um número menor de variáveis que são denominadas fatores (LIMA, 2017). A abordagem de componentes principais, por sua vez, busca identificar o fator que explica a maior parte da variabilidade dos dados, ou seja, busca definir o fator, em que a quantidade de variância explicada seja o mais próximo do valor da variância total (TRYFOS, 1997). Ainda, para uma melhor interpretação dos dados, foi utilizada a técnica de rotação de fatores ortogonal varimax, fazendo com que os coeficientes de correlação entre as variáveis e os fatores sejam mais próximos de zero ou um (LIMA, 2017).

24A partir do principal fator comum, gerou-se os escores fatoriais (valor de cada fator para cada observação) e destes produziu-se a variável tecnologia, que distingue os municípios de baixa e alta tecnologia na agricultura. Como os escores fatoriais tem média zero e variância unitária, os municípios com escores positivos são considerados como os de alta tecnologia, e os que possuem escores negativos os de baixa tecnologia.

Resultados

25Os resultados encontrados a partir dos métodos descritos na seção anterior são apresentados em duas subseções. A primeira, a seguir, contém a análise de cluster e a análise fatorial que permitem separar as AMCs em grupos, e fundamentam as estimações dos efeitos de eventos climáticos extremos, objetivo principal deste artigo e tema da segunda subseção.

Resultados da análise de cluster e fatorial

  • 7 O valor da encontrado para a estatística pseudo-F foi 174,13.

26A aplicação da análise de cluster nas AMCs das regiões do submédio e baixo da Bacia Hidrográfica de São Francisco identifica os grupos que se assemelham quanto à cobertura e uso da terra. Para tal, conforme salientado no método, é utilizada a estatística pseudo-F de Calinski-Harabasz7 que indica como três o número ótimo de grupos.

27Os três clusters selecionados foram: Área e vegetação campestre com 71 AMCs, que compõe em sua maioria o tipo de cobertura e uso de terra denominado mosaico de ocupações com área campestre (43,68%), que se refere a áreas com ocupação mista de agricultura, pastagem e/ou silvicultura associada ou não a remanescentes campestres, seguido do uso e cobertura de vegetação campestre (43,34%); Vegetação campestre com 46 municípios, composta em geral por vegetação campestre (85,25%); e o cluster Área Florestal/agrícola/pastagem com 51 municípios formado em maior parte de 54% de área florestal, 14% de pastagem com manejo e 11,75% de área agrícola.

28A Tabela 1, a seguir, detalha a proporção dos tipos de cobertura e uso de terra em cada um dos três clusters.

  • 8 Foram realizados o teste de Alpha de Cronbach, no qual resultou no valor de 0,71, sendo considerado (...)

29Por sua vez, a análise fatorial aplicada conjuntamente à técnica de componentes principais permite que uma única variável represente a adoção de tecnologia na produção agrícola. A correlação entre as variáveis observadas e a variável final é descrita pelas cargas fatoriais apresentadas na Tabela 2. Cabe ressaltar que testes 8de confiabilidade e consistência dos dados e de adequabilidade da amostra foram realizados.

30A partir da aplicação da análise fatorial e de cluster são formados seis grupos que caracterizam as áreas mínimas comparáveis com base na intensidade da tecnologia utilizada na agricultura e na cobertura e uso da terra. Conforme dispostos na Figura 1, estes grupos são: Área e vegetação campestre, de alta (17 AMCs) e baixa tecnologia (54 AMCs); Vegetação campestre de alta (7 AMCs) e baixa tecnologia (39 AMCs); e Área florestal/agrícola/ pastagem de alta (27 AMCs) e baixa (24 AMCs) tecnologia.

Figura 1. Grupos de intensidade tecnológica e cobertura e uso da terra.

Figura 1. Grupos de intensidade tecnológica e cobertura e uso da terra.

Fonte: elaborado pelos autores.

31A Figura 2 apresenta a distribuição geográfica dos referidos grupos na região do submédio e baixo da Bacia Hidrográfica do São Francisco

Figura 2. Mapa dos clusters de uso e cobertura da terra e tecnologia na região do submédio e baixo da BHSF

Figura 2. Mapa dos clusters de uso e cobertura da terra e tecnologia na região do submédio e baixo da BHSF

Fonte: elaborado pelos autores

32Conforme pode ser observado na Figura 2, há certa tendência dos grupos de uso e cobertura da terra de se aglomerarem geograficamente. As áreas de vegetação campestre (em azul) são as mais dispersas no mapa, e ocupam principalmente as AMCs entre as regiões do baixo e submédio da Bacia do Rio São Francisco (ver Figura 1A, nos Anexos) e a parte mais noroeste da região do submédio. As áreas de Vegetação campestre (em verde), por sua vez, estão concentradas na região central e oeste do mapa, ligadas a região do submédio da bacia. Já a área de floresta, agrícola e pastagem (em vermelho) encontram-se majoritariamente na região do baixo São Francisco.

33A concentração geográfica da intensidade do uso da tecnologia dentro dos grupos de uso e cobertura da terra não é tão evidente. No entanto, em termos gerais, é possível observar que as AMCs que adotam alta intensidade tecnológica (cores mais claras na Figura 2) estão localizadas mais próximas ao litoral brasileiro. Por exemplo, mais de 70% das AMCs nesta categoria estão no estado de Alagoas e Sergipe. Por sua vez, as AMCs de baixa intensidade tecnológica (cores mais escuras) estão, em sua maioria, no estado de Pernambuco e norte da Bahia.

34A importância de cada um dos seis grupos formados a partir da análise de cluster e fatorial na produção dos cultivos agrícolas que representam pelo menos 5% do valor total produzido no período de 1990 a 2017 é apresentada na Tabela 3, abaixo.

35A Tabela 3 mostra que cana-de-açúcar e uva são os dois principais cultivos em termos de valor de produção nas regiões do baixo e submédio da Bacia do Rio São Francisco, com aproximadamente 40% do valor total da produção agrícola no período em análise. O cultivo da cana-de-açúcar está concentrado na Área florestal, agrícola e de pastagem de alta tecnologia. Já o cultivo da uva está praticamente todo concentrado no grupo de uso da terra denominado Vegetação campestre, mas distribuído de forma relativamente equânime entre o uso de alta e baixa tecnologia. É importante destacar a alta produção de uvas nas AMCs que compõe o grupo Vegetação campestre de alta tecnologia, pois estas formam uma área significativamente menor que os de baixa intensidade tecnológica (Figura 2).

36A região do Submédio que corresponde a Área de Vegetação campestre é uma das grandes produtoras de uva de mesa no Brasil. A viticultura nesta região vem crescendo em função das altas temperaturas, dos altos índices de insolação e da água disponível para irrigação proveniente do rio São Francisco, o que acelera os processos fisiológicos das plantas, de modo a ser possível a produção de uvas durante todo o ano, e a obtenção de uma produtividade que supera a das demais regiões brasileiras (PEREIRA, 2013; LEÃO; SOARES, 2010).

37O cultivo da cana-de-açúcar, fundamental na formação histórica do Nordeste e do Brasil como um todo, ainda hoje possui grande relevância como gerador de renda no país. Os estados do Alagoas e Pernambuco, que correspondem a parte da Área florestal, agrícola e de pastagem, são os maiores estados produtores do Nordeste e estão entre os principais estados que mais produzem cana-de-açúcar no Brasil (CONAB, 2020). Inclusive, a Zona da Mata, região do litoral leste do Nordeste brasileiro que se estende do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia, possui a segunda maior concentração de usinas de açúcar e bioetanol do Brasil (LEITE et al., 2009).

38Os demais produtos de relevância na região em termos de valor são, na ordem de importância, manga (8,73% do total), feijão (7,38%), mandioca (6,89%), banana (5,23%) e tomate (5,01%). Destes, tomate (63,98%), banana (53,78%) e, em menor grau, manga (52,98%) estão concentrados em áreas de Vegetação campestre de baixa tecnologia, enquanto feijão (40,84%) e mandioca (34,59%) estão na Área e Vegetação campestre, também de baixa tecnologia.

  • 9 A definição de lavouras permanentes e temporárias, bem como exemplos de cada tipo são encontradas e (...)

39É possível identificar que as AMCs de baixa intensidade tecnológica produzem, em grade parte, cultivos de lavouras temporárias9, como mandioca, tomate e feijão, e, também, banana. Já uva e manga, concentradas na Vegetação campestre, dividem-se entre a produção de alta e baixa tecnologia, sendo a cana-de-açúcar o único entre os principais cultivos cuja produção ocorre predominantemente em AMCs de alta tecnologia. No geral, mais da metade do valor total dos principais produtos agrícolas são oriundos de AMCs de baixa intensidade tecnológica (56,70%, soma do Total nas colunas 3, 5 e 7), sendo 38,24% do grupo Vegetação campestre de baixa tecnologia.

Efeito de eventos climáticos extremos

40A relação entre os eventos climáticos extremos e o valor total da produção agrícola na região do baixo e submédio da bacia hidrográfica do São Francisco está apresentada na Tabela 4, a seguir. A tabela também explora esta relação por níveis de intensidade tecnológica da AMCs envolvidas na produção agrícola.

41Tabela 4. Impacto de eventos climáticos extremos sobre o valor da produção total.

42Fonte: resultados do estudo.

43Os resultados encontrados no modelo geral (Modelo I) da Tabela 4 indicam que tanto eventos extremos ligados a temperatura (coluna 2 da Tabela 4) e os de precipitação (coluna 6) impactam sobre o valor da produção total. Eventos extremos de baixa temperatura durante a primavera e o outono apresentam correlação negativa com o valor da produção agrícola total. Já em relação à eventos de precipitação extrema, sua ausência e o excesso durante o outono estão ambos ligados a um maior valor da produção, enquanto a ocorrência de muitas chuvas no verão está negativamente relacionada ao valor da produção agrícola total.

44As estimações do Modelo II na Tabela 4, específico para as AMCs que adotam maior intensidade tecnológica na produção mostram que, para estes, os efeitos de eventos climáticos extremos de temperatura (coluna 3) possuem maior significância estatística do que os ligados à precipitação (coluna 7), principalmente no período da primavera. Isto é, primaveras em que as temperaturas foram historicamente altas contribuíram para o aumento do valor da produção total, enquanto a ocorrência de mínimas históricas de temperatura, neste mesmo período, estão associadas à redução no valor da produção agrícola.

45O período da primavera coincide com o início da safra da cana-de-açúcar no nordeste brasileiro e, mais especificamente, nos estados de Alagoas e Sergipe, responsáveis por grande parte do cultivo do produto e que concentram as AMCs de maior intensidade tecnológica (vide Figura 2). É importante salientar, porém, que a adoção de maior intensidade tecnológica também está associada a outros cultivos, como uva e manga.

  • 10 Exceções são encontradas para plantas classificadas como em função de seus mecanismos fotossintétic (...)

46Apesar do efeito positivo das altas temperaturas encontradas durante a primavera e, com menor significância estatística no verão, grande parte dos estudos destacam os prejuízos associados à aumentos de temperatura decorrente de mudanças climáticas10. Por exemplo, Zhao e Li (2015) ressaltam a instabilidade do plantio da cana-de-açúcar no mundo frente a alterações climáticas, em função de sua baixa capacidade adaptativa, alta vulnerabilidade a riscos naturais, e pela falta de estratégias de mitigação. No Brasil, Margulis e Dubeux (2010) apontam alarmantes consequências das mudanças climáticas, mas que a cana-de-açúcar é exceção quanto à redução das áreas com baixo risco de produção. Porém, simulações conduzidas por Carvalho et al. (2015) para a região nordestina mostram que mudanças climáticas como o aumento das temperaturas irá elevar as taxas de evapotranspiração, reduzindo a quantidade de água disponível no solo, dificultando o plantio de cana-de-açúcar, que tende a se reduzir nas áreas mais secas, como na porção oeste da Zona da Mata. Estas consequências levam autores como Knox et al. (2010) a sustentar que na ausência de irrigação, há tendência decrescente na produção.

47O Modelo III (colunas 4 e 8 da Tabela 4) apresenta a relação entre os eventos climáticos extremos e o valor da produção em AMCs de baixa intensidade tecnológica e indica maior relevância para os eventos ligados à precipitação. Mais especificamente, a ausência de chuvas durante a primavera tende a reduzir o valor da produção total, enquanto o excesso no outono tende a aumentá-lo.

48Entre as previsões para os efeitos das mudanças climáticas no Nordeste está o aumento do déficit de chuvas e do risco de desertificação, devido ao aumento da aridez e degradação do solo (MARENGO; BERNASCONI, 2015). Mais especificamente, simulações indicam que a área suscetível à desertificação é superior a 90% do estado de Pernambuco (CGEE, 2016), que contém parte significativa das regiões do Submédio e Baixo da bacia hidrográfica do São Francisco.

49As AMCs de menor uso tecnológico concentram mais da metade do valor total dos principais produtos agrícolas, e são caracterizadas por produzirem, além de banana, as lavouras temporárias de feijão, mandioca e tomate (vide Tabela 3). Dentre estas últimas, as culturas de feijão e mandioca estão associadas à pequenos produtores e a áreas dependentes de chuva e que, portanto, possuem o sucesso da safra muito ligados à manutenção ou elevação da umidade do solo (MELO; VOLTOLINI, 2019). Este resultado, portanto, ressalta a importância socioeconômica dos efeitos do clima na região considerada neste estudo.

50Neste sentido, diversos autores vêm destacando os desafios de cunho social ligados à agricultura e ao clima na região que contempla a parte da bacia hidrográfica do São Francisco considerada neste estudo. Um deles é o caráter dual da perda de importância econômica da agricultura em estados como Alagoas, uma vez que este é o setor que mais gera emprego e que está intimamente ligado à segurança alimentar, contudo, expansões do setor implicariam em maior dependência e exposição da população em relação às mudanças climáticas (CGEE, 2016). Além disso, diversas críticas vêm sendo feitas em relação a inabilidade e a negligência das políticas públicas voltadas para a região, que tem resultado em uma concentração de uma agricultura moderna e irrigada, mas voltada para o mercado externo (VALDES et al., 2004; MELO et al., 2009). Há, também, preocupações quanto à migração por questões ambientais. As projeções realizadas para o Nordeste nas próximas décadas indicam aumento significativo da emigração, principalmente da população que não reside em áreas metropolitanas, em função das mudanças climáticas (CEDEPLAR/UFMG; FIOCRUZ, 2008).

51Em suma, os resultados encontrados no presente artigo mostram que a tecnologia é necessária, mas não suficiente para combater os efeitos de eventos climáticos extremos e, por consequência, das mudanças climáticas. Isto enfatiza a necessidade da adoção de melhores estratégias adaptativas que atentem às questões sociais na região.

Conclusão

52Os efeitos de eventos climáticos extremos sobre o valor da produção agrícola foram analisados para as regiões do submédio e do baixo da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco no Brasil, usando de regressões de efeito fixo com dados em painel. Os resultados deste estudo revelaram que eventos extremos afetam o valor da produção agrícola das regiões analisadas. Alguns desses eventos aumentam o valor da produção, como alta precipitação no outono, enquanto outras ocorrências tendem a diminuir o valor da produção, como baixa temperatura no outono.

53Entre os municípios que possuem alta densidade tecnológica, o efeito sobre o valor da produção está relacionado mais à temperatura do que a precipitação. O oposto acontece nos municípios com baixa densidade tecnológica. Esta ocorrência é pronunciada, especialmente, na estação da primavera, período em que os produtores plantam as principais culturas de verão. O aumento de temperatura em decorrência das mudanças climáticas está associado à elevação das taxas de evapotranspiração, o que reduz a quantidade de água disponível no solo e dificulta, entre outras questões, o plantio de cana-de-açúcar na porção oeste da Zona da Mata, região de alta densidade tecnológica e de destaque na produção deste produto.

54Já a escassez de chuvas tende a aumentar o risco de desertificação, e atinge principalmente as AMCs de baixa intensidade tecnológica. Estas áreas são responsáveis por mais da metade do valor total dos principais produtos agrícolas e, entre as estes estão feijão e mandioca, associados à pequenos produtores em áreas dependentes de chuva e que possuem o sucesso da safra muito ligados à manutenção ou elevação da umidade do solo. Isto remete ao cunho social das mudanças climáticas e ao fenômeno atual de concentração da agricultura moderna e irrigada na região e, também, à migração por questões ambientais.

55Os resultados, portanto, vão ao encontro da ideia de que a tecnologia é necessária, mas não suficiente para combater os efeitos de eventos climáticos extremos e, por consequência, das mudanças climáticas. Eles permitem, ainda, ressaltar a importância socioeconômica dos efeitos do clima na região de estudo, o que enfatiza a necessidade da adoção de melhores estratégias adaptativas na região, tendo em vista a vasta literatura indicando maiores prejuízos em decorrência da mudança climática.

56Identifica-se, portanto, a relevância de averiguar os efeitos das mudanças climáticas na região, principalmente por ela ser caracterizada por municípios com baixo desenvolvimento econômico. Assim, a elaboração de políticas que incentivem e proporcionem o uso de tecnologias na agricultura que inibam os efeitos de mudanças climáticas são essenciais para o seu desenvolvimento econômico e sustentável.

Anexo

Figura A. Regiões Fisiográficas da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

Figura A. Regiões Fisiográficas da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco

Fonte: Bettencourt et al. (2016).

Topo da página

Bibliografia

BETTENCOURT, P. et al. Plano de recursos hídricos da bacia hidrográfica do rio São Francisco. Revista Recursos Hídricos, v. 37, n. 1, p. 73–80, mar. 2016.

CALINSKI, T.; HARABASZ, J. A dendrite method for cluster analysis. Communications in Statistics - Theory and Methods, v. 3, n. 1, p. 1–27, 1974.

CARVALHO, A. L. DE et al. Impact of climate changes on potential sugarcane yield in Pernambuco, northeastern region of Brazil. Renewable Energy, v. 78, p. 26–34, jun. 2015.

CBHSF. O Comitê da Bacia do Rio São Francisco -. Disponível em: <https://cbhsaofrancisco.org.br/>. Acesso em: 03/07/2020.

CEDEPLAR/UFMG; FIOCRUZ. Mudanças Climáticas, Migrações e Saúde: cenários para o Nordeste brasileiro, 2000-2050, 2008. Disponível em: < http://web.antaq.gov.br/portalv3/Pdf/MeioAmbiente/MIGRACAOESAUDENORDESTE.pdf>. Acesso em: 02/09/2020.

CGEE. Desertificação, degradação da terra e secas no Brasil. Brasília, 2016

CONAB. Acompanhamento da Safra Brasileira de Cana-de-açúcar 2020/21. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/cana/boletim-da-safra-de-cana-de-acucar. Acesso em jan 2020.

EHRL, P. Minimum comparable areas for the period 1872-2010: an aggregation of Brazilian municipalities. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 47, n. 1, p. 215–229, mar. 2017.

GASQUES, J. G. et al. Desempenho e Crescimento do Agronegócio no Brasil. Texto para discussão do IPEA. n. 1009, p. 43, 2004.

GHINI, R.; BETTIOL, W.; HAMADA, E. Diseases in tropical and plantation crops as affected by climate changes: current knowledge and perspectives. Plant Pathology, v. 60, n. 1, p. 122–132, 2011.

GOUVELLO, C. DE et al. Estudo de baixo carbono para o Brasil: relatório de síntese técnica: uso da terra, mudanças do uso da terra e florestas. Brasília: Banco Mundial, 2010.

HOFFMANN, U. Some Reflections on Climate Change, Green Growth Illusions and Development Space. UNCTAD Discussion Papers, v. 205, p. 32, 2011.

IBGE. Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra 2018. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/cobertura-e-uso-da-terra/15831-cobertura-e-uso-da-terra-do-brasil.html?=&t=o-que-e>. Acesso em: 03/08/2019.

IBGE. IBGE | Portal do IBGE | IBGE. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/pt/inicio.html>. Acesso em: 03/07/2020.

IBGE/SIDRA. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017>. Acesso em: 03/09/2019.

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia. Website do Instituto Nacional de Meteorologia :: Disponível em: <https://portal.inmet.gov.br/>. Acesso em: 03/08/2020.

KIMBALL, B. A. Carbon Dioxide and Agricultural Yield: An Assemblage and Analysis of 430 Prior Observations 1. Agronomy Journal, v. 75, n. 5, p. 779–788, set. 1983.

KNOX, J. W. et al. A preliminary assessment of climate change impacts on sugarcane in Swaziland. Agricultural Systems, v. 103, n. 2, p. 63–72, 1 fev. 2010.

KURTZMAN, D.; KADMON, R. Mapping of temperature variables in Israel: a comparison of different interpolation methods. Climate Research, v. 13, p. 33–43, 1999.

LEÃO, P. C. DE S.; SOARES, J. M. Sistema de Produção - Cultivo da Videira. Disponível em: <http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/sistema_producao/spuva/index.html>. Acesso em: 03/07/2020.

LEITE, R. C. DE C., et al. Bioetanol combustível: uma oportunidade para o Brasil. Brasília, DF: NIPE UNICAMP ; CGEE, 2009.

LIMA, J. E. Curso de Análise Estatística Multivariada. Apostila. Departamento de Economia Rural. Universidade Federal de Viçosa. 2017.

MAIA, A. G.; MIYAMOTO, B. C. B.; GARCIA, J. R. Climate Change and Agriculture: Do Environmental Preservation and Ecosystem Services Matter? Ecological Economics, v. 152, p. 27–39, out. 2018.

MARENGO, J. A.; BERNASCONI, M. Regional differences in aridity/drought conditions over Northeast Brazil: present state and future projections. Climatic Change, v. 129, n. 1, p. 103–115, 1 mar. 2015.

MARGULIS, S.; DUBEUX, C. Economia da Mudança do Clima no Brasil. Repositório do IPEA. p. 6, 2010.

MELO, J. A. B. DE; PEREIRA, R. A.; NETO, J. D. ATUAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO NO COMBATE À SECA NO NORDESTE E AMPLIAÇÃO DAS VULNERABILIDADES LOCAIS. Qualitas Revista Eletrônica, v. 8, n. 2, 16 set. 2009.

MELO, R. F. DE; VOLTOLINI, T. V. Agricultura familiar dependente de chuva no Semiárido. Brasília, DF, Embrapa, 2019.

MINGOTI. Análise de Dados Através de Métodos de Estatística Multivariada. Uma Abordagem Aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG. 295p., 2007.

MOORHEAD, A. Climate, agriculture and food security: a strategy for change. Climate, agriculture and food security: a strategy for change., 2009.

PACHAURI, R. K.; MAYER, L.; INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (EDS.). Climate change 2014: synthesis report. Geneva, Switzerland: Intergovernmental Panel on Climate Change, 2015.

PEREIRA, G. E. Os vinhos tropicais em desenvolvimento no Nordeste do Brasil. ComCiência, n. 149, jun. 2013.

TRYFOS, P. Chapter 14: Factor Analysis. In Methods for Business Analysis and Forecasting: Text and Case. Versão impressa 2001. Wiley. 1997

VALDES, A. et al. Impactos e Externalidades Sociais da Irrigação do Semi-árido Brasileiro. 1. ed. Brasília: Banco Mundial, 2004.

WREFORD, A.; MORAN, D.; ADGER, N. Climate Change and Agriculture: Impacts, Adaptation and Mitigation. Disponível em: <https://0-www-oecd--ilibrary-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/agriculture-and-food/climate-change-and-agriculture_9789264086876-en>. Acesso em: 03/11/ 2019.

ZHAO, D.; LI, Y.-R. Climate Change and Sugarcane Production: Potential Impact and Mitigation Strategies. International Journal of Agronomy, v. 2015, p. 1–10, 2015.

Topo da página

Notas

1 A Figura 1A, nos Anexos, apresenta o mapa da Bacia Hidrográfica do rio São Francisco e de suas regiões fiosográficas.

2 Para evitar possíveis dificuldades impostas pelas emancipações ao longo do período analisado, adota-se a estratégia de trabalhar com Áreas Mínimas Comparáveis (AMC). Maiores informações sobre este método podem ser obtidas em Ehrl (2017).

3 A construção do indicador de tecnologia, conforme apresentado na subseção 2.3, está relacionada a utilização de capital físico na produção agrícola de cada AMC.

4 São identificados onze tipos de cobertura na região analisada: área artificial (0,29%), área agrícola (4,21%), pastagem com manejo (5,96%), mosaico de ocupações em área florestal (17,67%), vegetação florestal (3,97%), área úmida (0,0006%), vegetação campestre (43,47%), mosaico de ocupações com área campestre (23,25%), corpo d’água continental (0,84%), corpo d’água costeiro (0,01%) e área descoberta (0,11%).

5 Esta informação estava disponível no IBGE para os anos de 2000, 2010, 2012, 2014 e 2016. Procedimento semelhante é adotado por Maia, Miyamoto e Garcia (2018).

6 O método hierárquico foi escolhido devido a não haver necessidade de definir uma partição inicial.

7 O valor da encontrado para a estatística pseudo-F foi 174,13.

8 Foram realizados o teste de Alpha de Cronbach, no qual resultou no valor de 0,71, sendo considerado pela literatura como aceitável. Após a estimação do modelo foi realizado o teste de Kaiser-Meyer-Olklin (KMO) para averiguar a adequabilidade da amostra e o resultado foi o valor de 0,7049, atestando sua adequabilidade.

9 A definição de lavouras permanentes e temporárias, bem como exemplos de cada tipo são encontradas em IBGE (2020).

10 Exceções são encontradas para plantas classificadas como em função de seus mecanismos fotossintéticos (KIMBALL, 1983).

Topo da página

Índice das ilustrações

URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-1.png
Ficheiro image/png, 13k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-2.png
Ficheiro image/png, 14k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-3.png
Ficheiro image/png, 21k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-4.png
Ficheiro image/png, 40k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-5.png
Ficheiro image/png, 27k
Título Figura 1. Grupos de intensidade tecnológica e cobertura e uso da terra.
Créditos Fonte: elaborado pelos autores.
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-6.png
Ficheiro image/png, 33k
Título Figura 2. Mapa dos clusters de uso e cobertura da terra e tecnologia na região do submédio e baixo da BHSF
Créditos Fonte: elaborado pelos autores
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 222k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-8.png
Ficheiro image/png, 41k
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-9.png
Ficheiro image/png, 46k
Título Figura A. Regiões Fisiográficas da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco
Créditos Fonte: Bettencourt et al. (2016).
URL http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/docannexe/image/25461/img-10.png
Ficheiro image/png, 341k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Raquel Pereira Pontes, Eduardo André Tillmann, Patrízia Raggi Abdallah e Margareth da Silva Copertino, «Efeitos de eventos climáticos extremos e mudança climática na produção agrícola das regiões do Baixo e Submédio da bacia hidrográfica do Rio São Francisco»Espaço e Economia [Online], 26 | 2023, posto online no dia 15 janeiro 2024, consultado o 19 junho 2024. URL: http://0-journals-openedition-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/espacoeconomia/25461; DOI: https://0-doi-org.catalogue.libraries.london.ac.uk/10.4000/espacoeconomia.25461

Topo da página

Autores

Raquel Pereira Pontes

Escola de Gestão e Negócios/Unisinos. Email: raquel_sjn@hotmail.com

Eduardo André Tillmann

Programa de Pós-Graduação em Economia/FURG. Email: eduardotillmann@furg.br

Patrízia Raggi Abdallah

Programa de Pós-Graduação em Economia/FURG. Email: patrizia@furg.br

Margareth da Silva Copertino

Instituto de Oceanografia/FURG. Email: marga.copertino@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-SA-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC-SA 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search